Comércio de arte e artesanato dos povos indígenas e ribeirinhos

A Del Borgo tem como missão o fortalecimento das populações tradicionais que preservam a Amazônia e outros biomas por meio da comercialização da arte e do artesanato, seja na forma de cestos, adornos ou cerâmica produzidos por comunidades indígenas, populações ribeirinhas ou grupos organizados de diferentes etnias dessas regiões.

Construímos relações respeitosas com diversas comunidades indígenas e ribeirinhas formando, assim, parcerias para o fortalecimento dessas que são as principais guardiãs das nossas florestas

A vontade de evidenciar ao mundo a importância dos povos originários na manutenção das florestas em pé impulsionou a criação de uma loja virtual, que facilita o escoamento dos trabalhos sofisticados e cuidadosamente elaborados por esses povos, ao mesmo tempo, que possibilita a geração de renda e a valorização de suas culturas.

A marca Del Borgo é inspirada no bem viver de uma pequena comunidade italiana, origem de seu fundador, onde as pessoas estão próximas, vivendo de forma respeitosa e colaborando umas com as outras. A partir desse princípio, a loja busca manter proximidade e atuar de forma ética e transparente com todos os seus parceiros e clientes por meio de um comércio justo que estimula o cuidado com comunidades tradicionais que estão extremamente ameaçadas. 

Conheça os artesanatos e peças de artes originais da floresta em nossa Loja Virtual

Comunidades Ribeirinhas

As comunidades ribeirinhas são formadas por povos que habitam as margens dos rios, igarapés, igapós e lagos da Floresta Amazônica e outras regiões naturais do país. Seus modos de vida estão totalmente ligados ao fluxo das águas, adaptando-se aos períodos de seca e cheia dos rios. Entre as principais atividades econômicas exercidas pelos ribeirinhos, estão a pesca artesanal, roças de subsistência, práticas extrativistas e também a produção e comercialização de artesanato. 

A vida dos ribeirinhos da Amazônia também é caracterizada pelo isolamento entre rios e floresta. Geralmente, vivem em casas de palafitas e usam os rios como via de transporte por meio de barcos a remo ou movidos a motor. O isolamento geográfico e a falta de políticas públicas para essas comunidades dificultam o acesso aos serviços essenciais de saúde, educação e outros como energia elétrica, saneamento básico e tecnologia de comunicação. 

Ribeirinho trançando peça artesanal – imagem: Imazon

Enquanto população tradicional, os ribeirinhos só foram reconhecidos oficialmente em 2007. Atualmente são identificadas mais de 350 comunidades na região da Floresta Amazônica. 

As populações ribeirinhas são fundamentais para a manutenção das florestas e têm modos de vida tradicionais que devem ser respeitados.

Apoie as comunidades indígenas e ribeirinhas, adquirindo os produtos artesanais produzidos por organizações ribeirinhas e comercializadas pela Del Borgo, confira em nossa loja virtual.

Povos Indígenas no Brasil

Quando apresentamos os povos indígenas é preciso compreender algumas condições e termos que descrevem a população nativa de nosso país. 

Antes da colonização portuguesa do território que hoje chamamos de Brasil, já havia a presença de diversas populações humanas. Não sabemos a exata origem desses povos, mas eles podem ser denominados “nativos” ou “originários” desse território, porque estavam aqui antes da ocupação europeia. 

É importante destacar que não há apenas um povo indígena. O território brasileiro é composto por várias populações indígenas: cada uma tem sua cultura, cosmologia, língua específica, entre outras características. 

Nesse processo de colonização, houve um grande extermínio dos povos originários quanto das pessoas que são vinculadas historicamente aos primeiros povos que até hoje são, constantemente, ameaçadas pelos não-indígenas.

A relação dos indígenas com o meio ambiente se diferencia muito da dos colonizadores. No entanto, os processos de alteração cultural impactam significativamente na manutenção dos recursos de seus territórios e de todo o país. 

Outro aspecto importante a se compreender é que a divisão territorial como conhecemos, denominado país, estado ou município, nem sempre coincide com a divisão territorial dos povos originários, regiões que já eram ocupadas antes dos processos de colonização ou exploração contemporânea. 

“Comunidade indígena” é toda comunidade fundada em relações de parentesco ou vizinhança entre seus membros, que mantém laços histórico-culturais com as organizações sociais indígenas pré-colombianas.”

Eduardo Viveiros de Castro, pesquisador e professor de antropologia do Museu Nacional (UFRJ) e sócio-fundador do ISA

Estima-se que no século XVI os povos originários formavam uma população de 2 a 4 milhões de pessoas distribuídos em mais de 1.000 diferentes etnias. Na metade do século XX, centenas de grupos já haviam sido exterminados e as populações foram reduzidas a algumas centenas de milhares (fonte: PIB/ISA)

Nos dados cencitários mais recentes, são identificados 305 povos indígenas que somam 896.917 pessoas, a maioria vivendo em área rural. O que corresponde a aproximadamente 0,47% da população total do país (Censo IBGE 2010) 

Povos Indígenas e o Meio Ambiente 

É possível verificar que os povos indígenas souberam manejar estrategicamente os recursos naturais, causando baixo impacto e sem alterar os princípios de funcionamento dos ecossistemas onde estiveram ou estão inseridos. 

Isso ocorre porque os indígenas demonstram ter consciência da sua dependência do meio ambiente e, assim, desenvolveram formas de manejo dos recursos naturais que têm se mostrado fundamentais para a preservação da cobertura florestal no Brasil.

Quando avaliamos as áreas de desmatamento do país, é possível verificar que os Territórios Indígenas (TI) formam grandes oásis de conservação das florestas.

Ainda assim, é preciso oferecer suporte para que essa manutenção das florestas de pé ocorram de forma sustentável em seus territórios, visto que as populações indígenas são constantemente ameaçadas pela pressão do uso econômico de seus territórios, que podem causar grandes prejuízos e danos a essas populações e aos recursos naturais do país. 

Apoiar os povos originários e fortalecer mecanismos de desenvolvimento sustentável em seus territórios é colaborar para a manutenção da vida desses(as) guardiões(ãs) das florestas e do bem-estar de toda a população brasileira. 

Apoie as comunidades indígenas e ribeirinhas, adquirindo os produtos artesanais produzidos pelas organizações indígenas e e comercializados pela Del Borgo, confira em nossa loja virtual.

Organizações

A Del Borgo se preocupa em promover uma relação justa e de apoio às organizações indígenas e ribeirinhas, estimulando o cooperativismo e a coletividade. Por isso, trabalha apenas com artesanato e peças de arte fornecidas por grupos organizados.

Somos parceiros das seguintes organizações:

Comunidades Ribeirinhas do Rio Arapiuns

Associação Turiarte

Comunidade Ribeirinha da Floresta Estadual de Faro

Associação dos Moradores Tradicionais da Flota de Faro

Arara de Volta Grande do Xingu

Artesãs das Aldeias da TI Arara da Volta Grande do Xingu

Baniwa

Associação Arte Baniwa

Guarani Mbay

Aldeia Indígena Guarani Rio Silveira

Kayapó Mekrãgnoti

Instituto Kabu

Mehinako

Parakanã

Sateré-Mawé

Associação pelas Artesãs Sataré Mawe (CPSM)

Associação de Mulheres Indígenas Sateré-Mawé (AMISM)

Suruí Pater

Centro Olawatawah

Associação das Guerreiras Indígenas de Rondônia (AGIR)

Tukano

Federação da Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN)

Yanomami

Associação Yanomami Hutukara

Ética e Transparência

A Del Borgo se baseia nos princípios do comércio justo, mantendo relações comerciais que geram benefícios para toda a cadeia produtiva. 

A relação ética e transparente durante a comercialização de produtos artesanais indígenas e de comunidades ribeirinhas da Amazônia e de outros biomas é fundamental para a geração de valor e visibilidade desses guardiões das florestas brasileiras.

Mais do que comercializar produtos, a Del Borgo preza pela responsabilidade socioambiental com seus parceiros e clientes, colaborando para o desenvolvimento e fortalecimento das comunidades tradicionais. 

Conheça as políticas de comercialização da loja: 

– Adquirir produtos diretamente de cooperativas ou comunidades organizadas. 

– Manter os preços de custo estabelecidos pelas organizações parceiras. 

– Estabelecer uma margem de até 35% de lucro para a loja. 

– Estabelecer parcerias para a cocriação de peças artesanais, respeitando o seu processo de desenvolvimento pelas comunidades. 

– Visibilizar as demandas e causas dos povos originários do Brasil.

– Estabelecer relações próximas e de confiança com seus clientes.

– Estimular o consumo consciente por meio da informação sobre a origem dos artesanatos e sobre o impacto positivo para as comunidades envolvidas na sua produção e na preservação das florestas. 

É importante destacar que quando os clientes da Del Borgo compram uma peça de arte indígena ou artesanato das comunidades ribeirinhas estão colaborando para a proteção das florestas e fortalecendo os povos originários na defesa de seus territórios e de sua cultura. 

Para conhecer nossas peças acesse a loja

Siga nos

Dúvidas e informações